Notícias

Home » Notícias
01 Jan
Autor: Camila Eiroa Categoria: Lição de Vida Velha eu?

"Eu sou uma mulher absolutamente comum. Fui casada por 32 anos com o mesmo homem, tive três filhos e minha família era perfeita, de propaganda. Até descobrir que, além de mim, meu marido tinha mais algumas amigas. Amantes não, acho essa palavra muito forte", disse Isabel Dias na abertura do talk Velha, eu?

Apesar do medo e até mesmo dos conselhos sociais, Isabel preferiu chutar o pau da barraca e sair do casamento após descobrir o histórico de traição. Não que fosse uma decisão fácil, muito pelo contrário. Havia vergonha e culpa. Então, ela saiu de sua cidade no interior e foi morar em São Paulo, num movimento de fuga de si mesma. "Para poder sofrer no anonimato."

Aos quase 60 anos, o julgamento existiria em qualquer escolha que Isabel tomasse. A sua geração, segundo ela, é aquela que muda de quarto, continua com o cartão de crédito e finge para os outros que está em um casamento feliz. No entanto, isso não parecia honesto para ela, que preferiu não fingir e procurar um emprego para bancar sua nova vida, sozinha.

"Me cobrei muito, mas estava tão ferida que pior do que aquilo não poderia ficar. Eu não tinha autoestima, era velha, feia, despencada, toda caída. Acreditava fortemente que nunca arrumaria outra pessoa. Todas as indiretas que existem quando se termina um casamento de anos vão colocando a gente nesse papel", contou.

Novas (e muitas) experiências

Cansada de estar sozinha, Isabel decidiu criar um perfil em uma rede social de namoro com um nome falso. "Escrevi que era uma pessoa divertida e animada - senão, quem iria me convidar para tomar um café?" Ela deixou claro em seu perfil que queria um amigante, ou seja, um amigo ficante. Começou a receber  as primeiras mensagens e as coisas começaram a acontecer.

"Eu não sabia que 60+ era um segmento que fazia tanto sucesso no mercado", brincou. O que ela não sabia, também, é que essa nova jornada em busca de autoconhecimento e prazer traria ensinamentos tão preciosos sobre o que é ser uma mulher velha. Quantas experiências sexuais e afetivas aconteceram? 32. Uma para cada ano de casamento.

"Na primeira experiência, me senti apavorada. Como iria tirar a roupa para um homem mais novo? Meu marido tinha sido o único homem da minha vida. O que eu sabia, ele tinha me ensinado. Não fazia ideia do que eu realmente gostava", relembrou. A sensação de medo e apavoro não durou muito. Ao chegar em casa depois do primeiro encontro, a sensação era uma só: a de estar viva.

Isabel já não achava mais seu peito tão caído, sua bunda tão despencada. Celulite? Não tinha mais importância. Seguindo o conselho de sua terapeuta, começou a escrever sobre as experiências, mas sempre em terceira pessoa. Ao ser questionada pelo filho sobre o que estava fazendo para espantar a tristeza, revelou que andava escrevendo contos eróticos ficcionais.

Prontamente ele notou que eram histórias biográficas e sugeriu colocar em primeira pessoa. Nasceu, assim, o livro 32 - Um homem para cada ano que passei com você. "Todo dia eu recebo uma mensagem de uma mulher dizendo que eu dei forças para que ela pudesse se descobrir. Sucesso é isso, é você tomar conta do seu corpo, fazer o que você quer. Por você, não pelos outros."

Pode me chamar de velha

Depois de ser excluída por "amigas" no Facebook e ter fotos em que aparecia apagadas, tudo por causa do sucesso do livro, Isabel pode notar quem realmente estava do seu lado. "Ninguém falou que aos 60 anos eu teria que fechar as pernas e fazer crochê. Eu dou o que eu quiser, a minha verdade é minha, o meu corpo é meu. Eu não vim com prazo de validade e esse processo me deu muito mais prazer do que minha vida inteira. Sabe por que? Porque fui me conhecer. Não estou preocupada com essa hipocrisia social", bradou.

E nada de se referir a Isabel com os jargões terceira idade ou melhor idade. "Sou uma mulher adulta. Uma mulher velha. E se já somos reprimidas, na velhice então… Isso piora. A gente não pode falar de sexo, não pode dizer o que gosta. Fazer, até pode. Mas contar? Nunca! Os homens fazem e saem propalando, né? Mas nós temos que ser as matriarcas, as belas, recatadas e do lar. Eu hein?",

Para ela, que hoje está com 67 anos, envelhecer de uma maneira mais verdadeira e positiva é uma questão de escolhaA hora que a gente escolhe ser feliz, conseguimos. E quanto mais falarmos sobre a liberdade feminina de envelhecer naturalmente, mais mulheres poderão se dedicar ao autoconhecimento. Independentemente da idade.

Voltar à página inicial